LandmarketingMadiaMM

USNS Comfort, o preço do achismo

0

Podemos decidir e resolver fazer o que quer que seja. Claro, desde que previsto, planejado e ativado, antes. Durante costuma dar merda. Não é em momentos de crise ou durante tempestades que se constroem abrigos. É antes, sempre antes. De preferência, muito antes.

Se no passado, por falta de conhecimento e recursos, em muitas situações planejar-se antes era uma impossibilidade absoluta, hoje, não planejar-se e, se possível, fazer-se antes, é, no mínimo imprevidência, desleixo, quem sabe crime culposo.

No ano passado, por exemplo, o governo brasileiro foi pressionado e chamado de incompetente por não conseguir fazer chegar aos beneficiários os tais de R$ 600,00 e outras providências mais, votadas e aprovadas para atenuar a coronacrise.

Com a tecnologia mais que disponível e abundante, o Brasil, assim como todos os demais países, já deveriam ter se organizado com um cadastro único e completo de identidade de todos os seus cidadãos, onde figurassem todos os brasileiros a partir do nascimento, com os dados necessários e suficientes para que pudéssemos acioná-los sempre que preciso. Mas, como somos um “País 3Is” ‒ imprevidente, incompetente e ignorante ‒, não fizemos antes e nos açodamos em momento de crise dramática com uma única certeza: em maiores ou menores proporções, iria dar merda. E deu!

Dentro dessa linha de continuar acreditando que no final tudo dará certo, que Deus se encarregará de suprir nossa imprevidência e despreparo, o governo dos Estados Unidos decidiu porque decidiu, sem ter tido a responsabilidade mínima de estressar todas as possibilidades, decidiu mandar um de seus grandes navios hospital, o USNS Comfort, para atracar em Manhattan, e aliviar todos os demais hospitais das internações de rotina, abrindo mais e muitas vagas para os pacientes da Covid-19.

Construído no ano de 1975, batizado em 1976 e lançado ao mar em fevereiro de 1978, com 272 metros de cumprimento e 32 de largura, atracou em New York City no dia 30 de março de 2020, e por lá permaneceu, exatos 30 dias, partindo em 30 de abril.

E o que aconteceu…? Nada!

Mesmo porque nada acontece desde que não devidamente planejado.

Conclusão, para a perplexidade e revolta de todos os nova-iorquinos e demais estadunidenses, a esperança-navio que atracou nos portos da cidade numa segunda-feira, até a quinta-feira, de seus 1.000 leitos, tinha apenas 20 ocupados.

E as 12 salas de cirurgia com as luzes apagadas, jamais foram usadas, e os 1,2 mil médicos de braços cruzados, e profundamente incomodados, constrangidos, putos, revoltados.

Jamais nos esqueçamos dessa lição uma vez mais repetida à exaustão na presente crise. Do céu só continua caindo chuva, granizos, e vez por outra, e felizmente, algum meteorito de pouco risco. Deus, para os que creem, ou, a natureza, para os agnósticos, já nos deram tudo o que poderiam nos dar.

A partir daí é com a gente. Sem pensar, planejar, e agir, no tempo certo – e tempo certo é, na maioria das vezes e situações, antes – continuaremos condenados a repetir as mesmas e infinitas tolices, e depois reclamarmos de supostos e eventuais terceiros irresponsáveis…

 

 

Quer receber nossa Newsletter? Preencha o formulário abaixo:

Brennands, Farias, Cardosos… Ou, quando morrer será opcional

Post anterior

Diário de um Consultor de Empresas – 18/03/2021

Próximo post