Transição de comando, gestão de sucesso

Poucos chegam lá. Alcançam o topo. E descansam… Não, não descansam. Não existe essa possibilidade. Depois do topo, a única possibilidade é a queda.

E assim, manter-se absolutamente atento, bloqueando com efetividade, consistência e qualidade todos os ataques dos concorrentes, e, simultaneamente, preservando todos aqueles que permitiram o sucesso, encantados e envolvidos com a marca – os clientes, essa é a receita ou segredo dos que alcançam e preservam a liderança em seus territórios de atuação.

Artur Grynbaum preside O Boticário desde 2008. Entrou na empresa convidado por Miguel Krigsner, em 1986, como assistente financeiro. Ao completar 10 anos no comando apresenta um saldo de realizações admiráveis. Na sexta-feira, 9 de março último, anunciou mais uma aquisição, procurando complementar toda a sua penetração no território de higiene e beleza do país.

Comprou a Vult Cosmética, hoje em processo de aprovação pelo Cade, e que tem seus produtos à venda em 35 mil pontos de venda. Muito especialmente em lojas multimarcas e farmácias. Onde o Boticário não está. Varejo tradicional desses produtos, e classes C e D.

Artur foi entrevistado por Tatiana Vaz da Folha. Na entrevista, Artur revela que sua empresa já vem contratando temporários tendo em consideração a nova legislação trabalhista. Vem fazendo isso nas lojas próprias para ganhar experiência.

E na sequência, pretende repassar o aprendizado para os franqueados.

Perguntado sobre as razões do Boticário ter apostado em propaganda de diversidade nos últimos anos, Artur, educadamente corrigiu Tatiana, “Não estamos investindo no tema diversidade em nossa comunicação. A diversidade é o que é. As marcas têm um papel importante de trazer essa realidade para sua comunicação de uma forma carinhosa. É o que temos feito. Diversidade não é uma bandeira. É um valor que temos e que decorre do respeito que temos pela sociedade”.

Durante a entrevista, Artur trouxe uma abordagem muito interessante e que certamente será a principal característica deste fundamental ano de 2018 para a história do Brasil. Introduziu o conceito de uma Retomada Picada do Crescimento. Como a maioria, e como os números já registram, a economia de nosso país terá um crescimento próximo ou pouco acima dos 3%.

Mas não será um crescimento linear. Como diz Artur, um crescimento picado. Diz ele: “Hoje eu acredito que o mercado pode avançar, mas a retomada vai ficar mesmo para o segundo semestre, e para depois das eleições. 2018, será um ano melhor, mas a retomada será mais picada do que todos imaginavam no início do ano…”.

E, antes de encerrar a entrevista, Artur anunciou que sua empresa continua investindo. Serão 70 novas lojas em shopping centers e cidades que ainda não contam com O Boticário…

Assim como continuará recomprando, sempre que necessário, todas as lojas que os franqueados quiserem desistir do negócio ou em praças onde precise ser feito um trabalho mais forte e consistente.

Segundo Artur, o modelo do Boticário é o de franquias – das mais de 4000 lojas, 90% são de franqueados – mas continuarão com algumas lojas próprias para colocarem-se o tempo todo na pele dos franqueados e poderem orientar melhor e com mais autenticidade todos eles.

Se O Boticário já pontificava como a melhor referência dentre todos os players de seu território de atuação no Brasil, como uma referência mundial na adoção e prática do franchise de excepcional qualidade, hoje se converte em referência e benchmark para transições de comando com sensibilidade e competência.

De Miguel, criador, para Artur, sucessor.

MML – FRANCISCO MADIA, especial para o MMM.

 

 

 

Quer receber nossa newsletter? Preencha o formulário abaixo: