J. Walter Thompson lança campanha para ajudar a combater preconceito contra indígenas

Captada numa aldeia no Rio Negro, a comunicação é a primeira da agência para o Instituto Socioambiental (ISA) (foto: divulgação)

Na parte mais noroeste da Amazônia Brasileira, região conhecida como “cabeça do cachorro”, vive o povo indígena Baniwa, que protagoniza a nova campanha do Instituto Socioambiental (ISA). Criada pela J. Walter Thompson, com produção da Pródigo Filmes, a campanha institucional é a maior da história do ISA e a primeira em parceria com a agência.

O objetivo do trabalho é desmistificar a figura do índio isolado, como o único indígena digno de ter seus direitos respeitados. “Parte da população criou no imaginário – com a ajuda, inclusive, de livros escolares – a figura do índio ‘puro’, o índio mais índio que os outros, como se aqueles que fugissem desse estereótipo não merecessem ter seus direitos garantidos”. A afirmação é de Mariana Borga, diretora de criação da J. Walter Thompson, que acrescenta: “Queremos quebrar esse preconceito”.

Os Baniwa – etnia que apesar de ter incorporado diversos hábitos não-indígenas mantém sua organização social, sua língua e uma forte relação com o meio ambiente – foram os escolhidos para dar corpo (e rosto) à mensagem. “Eles se identificaram na hora com a proposta, porque têm a sua identidade questionada com frequência”, salienta Bruno Weis, coordenador de Comunicação do ISA. “Eles se sentem, se reconhecem e se apresentam como índios, mas uma parte da população insiste em dizer que não são.”

Detalhando um pouco mais a estratégia da campanha, Ricardo John, CCO da J. Walter Thompson, comenta que o ISA faz um trabalho fundamental com as populações originárias do Brasil e precisa de apoio para continuar nessa luta. “Mas é impossível obter esse apoio enquanto as pessoas continuarem a ter preconceito”, diz ele. “Nós já não somos mais como os nossos tataravós e nem por isso temos a nossa identidade questionada, então por que fazer isso com os indígenas?”, questiona Rodrigo Grau, também CCO da J. Walter Thompson.

O projeto, que chegou à agência através do Planning4Good, uma iniciativa do Grupo de Planejamento da qual participavam Fernand Alphen, então head de planejamento da J. Walter Thompson, e Jurandir Craveiro, Presidente do ISA, toca num ponto delicado: “O insight do preconceito expõe uma questão pouco admitida no Brasil, que é o racismo contra os índios”, diz Jurandir.

Para a produção, uma equipe reduzida de dois diretores, um assistente de direção e um operador de som com um drone acompanharam toda a rotina dos Baniwa ao longo de seis dias na floresta. “Deixamos de lado todo o pensamento publicitário e encaramos o projeto como um documentário”, conta Andre Godoi, diretor de cena da Prodigo Films. “Eu pude aliar a fotografia e a direção em um conceito direto e real, retratando os índios e a questão do preconceito”, completa Daniel Klajmic, também diretor de cena da produtora. A campanha conta com um filme para TV, internet e para cinema, além de outras peças digitais.

[youtube id=”uuzTSTmIaUc” align=”center” mode=”normal” autoplay=”no” maxwidth=”700″ grow=”yes”]

News

 

 

Quer receber nossa newsletter? Preencha o formulário abaixo:

[contact-form-7 id=”163591″ title=”Formulário fim dos posts”]