Esporte

CrossFit perde contratos após comentário racista do CEO da marca

0

Greg Glassman, fundador e CEO da CrossFit, marca focada em treinamento funcional, pagou caro por um comentário racista feito sobre o assassinato do afro-americano George Floyd,  através de suas mídias sociais, no qual ele ironizou um post feito pelo Institute for Health Metrics and Evaluation (IHME) sobre racismo. A postagem do instituto diz que o racismo é uma questão de saúde pública.

Em tom irônico, Glassman respondeu ao tuíte com “É FLOYD-19”, em alusão a morte brutal de George Floyd por quatro policiais brancos em Minneapolis e colocando na conta dos protestos o aumento dos casos de infectados por coronavírus.

Além das centenas de mensagens de repúdio entre usuários e atletas de todo o mundo, algumas marcas de esportes de prestígio decidiram encerrar sua parceria com a empresa, como ocorreu com a Reebok, patrocinadora oficial da marca.

“Nossa parceria com a marca CrossFit se encerra no final deste ano. Recentemente, discutimos sobre a renovação desse acordo, mas, diante dos acontecimentos recentes, tomamos a decisão de encerrar nossa parceria com a CrossFit HQ. Devemos isso aos atletas, aos fãs e à comunidade do CrossFit”, destacou a Reebok, em comunicado.

Atletas do CrossFit Games, como a bicampeão Katrin Davidsdottir e o tricampeão de Rich Froning, também criticaram Glassman por seus comentários. Já Noah Olsen, segundo lugar no CrossFit Games 2019, foi além da “nota de repúdio” e anunciou pelo Instagram que não participará da próxima edição dos jogos.

View this post on Instagram

My participation in the 2020 @crossfitgames will be contingent upon major changes being made. ⁣ ⁣ I LOVE competing, I LOVE training, I LOVE being able to challenge myself and become better from it. ⁣ ⁣ I also LOVE people.⁣ ⁣ This is probably the hardest decision I’ve ever had to make. It’s been weighing on me for days. I’ve consulted many of my closest supporters. All of that said, I’ve decided that I cannot, in good conscience, compete during this time for a company that hasn’t shown themselves to have values that I align with. ⁣ ⁣ I’ve been talking a lot about this movement and my strong desire to stand up and fight for equality. Right now, I’m taking action. The repercussions of this could be huge. I’ve weighed them and my belief in this is stronger than their potential outcomes.

A post shared by Noah Ohlsen (@nohlsen) on

Diante da proporção do caso, ciente que teria sua imagem e a de sua empresa prejudicadas, Glassman utilizou a conta CrossFit no Twitter para declarar que havia “cometido um erro”.

“Eu, CrossFit HQ e a comunidade CrossFit não apoiamos o racismo. Eu cometi um erro com as palavras que escolhi ontem. Meu coração está profundamente triste com a dor que causou. Foi um erro, não racista, mas um erro”, postou o executivo, que construiu um império ao criar a marca CrossFit em 2000.

Sobre o mercado de crossfit, nos EUA, são mais de 13 mil academias filiadas à marca. No Brasil, há registros de 2 mil boxes para a prática do esporte.

 

 

Quer receber nossa Newsletter? Preencha o formulário abaixo:

Rádio Bradesco Seguros transforma conteúdo em podcasts

Post anterior

Estudo mostra que Covid-19 faz 52,5% dos brasileiros terem mais cuidado com fake news

Próximo post