LandmarketingMadiaMM

Cleusa “Sodiê” a Cleusa que não é presentes… E que jamais considerou desistir…

0

Poucas mulheres empresárias tiveram sua história contada em prosa e verso, nos últimos 10 anos, como Cleusa Maria da Silva.

Se vocês teclarem no Google seu nome, o buscador rei em frações de segundos registra 2.260.000 referências. Todas as das primeiras páginas do Google dizem respeito a ela. “De boia-fria a rainha dos bolos fatura R$ 290 milhões”, primeira busca a aparecer e de matéria do Uol. Na sequência vem o portal da Anamariabraga, Gazeta do Povo, Revista Claudia, Veja SP, IG, PME Estadão, e não para mais…

Semanas atrás foi entrevistada pelo portal da Veja, em vídeo, e mais adiante ocupou as duas páginas da seção Primeira Pessoa da revista.

E repetiu sua história de vida, emocionante e referencial, como a de milhares de pessoas, e onde a maioria fica pelo caminho, e os poucos como Cleusa que chegam lá têm o dever e a obrigação, ainda que isso resulte em benefício para o crescimento de seu negócio, de contar repetidamente para que inspire outras pessoas em situação semelhante.

Como milhões de brasileiros uma infância pobre e sofrida. Morava no Paraná com pai, mãe e mais nove irmãos. Um dia o pai morreu, a mãe foi demitida e a família foi morar na casa dos avós, na cidade de Salto.

Trabalhou nas lavouras de canas-de-açúcar durante 4 anos, cortando cana com as mãos e picada pelas abelhas. Um dia, uma tia pediu para a mãe deixar Cleusa ir com ela para São Paulo. Diante da recusa da mãe Cleusa ponderou “Mãe, não estou indo embora, apenas vou em busca de ajuda…”.

Trabalhou como empregada doméstica em São Paulo, e mandava o salário para a mãe e a família. Fez supletivo à noite, concluiu o ensino fundamental, foi morar com um tio, arrumou emprego num escritório, mas teve que voltar para Salto. Foi trabalhar numa empresa, morre o dono, e vai ajudar a viúva. Viúva que vivia de fazer bolos para fora… Diz Cleusa, “eu comecei a ajudar, e…”.

Respira fundo, cria coragem, e, abre uma primeira loja. Um dia um cliente fiel falou sobre franquia… E hoje, 2020, Cleusa Maria da Silva, 53 anos, é dona de uma empresa que aproxima-se dos R$ 300 milhões de faturamento. 300 lojas pelo Brasil e uma primeira na cidade de Orlando, Estados Unidos.

Difícil dizer qual foi o tipping point de Cleusa. Ou ponto de inflexão, ou momento em que a vida muda… Foram muitos. A morte do pai, a ida para Salto, o convite da tia para mudar-se para São Paulo, a morte do marido da patroa que fazia bolos… Mas tem um específico que em nosso entendimento, consultores da Madia, coroa melhor essa história de sucesso.

Conforme Cleusa contou para Gisela, do caderno Pequenas Empresas do Estadão…

Diz Cleusa, “O negócio foi batizado inicialmente de Sensações Doces, mas todas as tentativas de registro do nome eram barradas por uma multinacional. Um dia descobri que essa multinacional era a Nestlé. E que obstava meu registro por causa do Chocolate Sensação… Fiquei quatro meses sem dormir… Um dia minha advogada e amiga me entrega um guardanapo de pano escrito Sodiê. Juntou o nome de meus dois filhos, Sofia e Diego. No mesmo dia o nome foi aprovado. Até hoje me emociono quando conto essa história…”.

Uma encantadora história que merece ser contada sempre. Quanto à epifania do naming, raríssimas vezes caminhos como o encontrado pela Sodiê funcionam. Felizmente, Cleusa e seu negócio inserem-se no território das exceções que fortalecem a regra. Jamais brinque ou improvise com a denominação que você venha a dar ao que quer que seja. É para sempre…

Cleusa, a da Sodiê, Sofia e Diego, Mais que merece! Fez por merecer. Jamais considerou jogar a toalha.

 

 

Quer receber nossa Newsletter? Preencha o formulário abaixo:

Diário de um Consultor de Empresas – 16/12/2020

Post anterior

Desagravo ao RenovaBR exatos 12 meses depois

Próximo post