Carrinhos abandonados

O maior flagelo do comércio eletrônico mundial, o descomunal desafio a ser superado, e que determina o mais consistente vazamento de compras e clientes dentre todas as outras constatações, são, os Carrinhos Abandonados. Todos os dias, em milhares de sites, portais, e market places, milhões de carrinhos abandonados.

Carrinhos Abandonados são Consequências, Jamais Causas. De pessoas inseguras, ou pela idade, ou pela inexperiência, ou por medo, que num esforço supremo quase heroico, conseguem superar todas as resistências e dificuldades, e decidem-se arriscar numa compra, no comércio eletrônico. E acabam se deparando, em parcela expressiva das vezes, com caminhos e percursos que só amedrontam e provocam pânico, que fazem exigências descabidas e absolutamente irrelevantes, via de regra decorrente da cabeça de um programador que não pensou no mais neófito dos seres humanos; apenas considerou suas próprias dificuldades, e construiu uma plataforma ótima para ele. Para os novatos e não iniciados, um horror. Uma espécie de trem fantasma.

O índice de desistência de compras no comércio eletrônico permanece monumental. De cada 10 pessoas que iniciam um processo de compra 8 abandonam o carrinho pelo caminho. Desistem da compra.

E dentre as razões prevalecentes, muito especialmente para pessoas que estão comprando pela primeira vez e são naturalmente inseguras, sensíveis, e extremamente preocupadas que podem fazer alguma bobagem e perder dinheiro pelo caminho, a maior de todas é uma Navegação Complicada e Demorada… Depois do segundo ou terceiro tropeço, da quarta dúvida, a desistência é inevitável. E lá vão ficando os carrinhos pelo caminho…

Recomendam os especialistas que para os que fazem as primeiras compras deve existir um cuidado muito grande em seus cadastramentos. Com o menor número de dados – só os indispensáveis – de tal forma que essa etapa possa ser superada com facilidade e rapidamente. E esse mesmo tipo de procedimento e cuidados deveria prevalecer nas etapas seguintes.

Ou seja, ainda temos muitas barreiras a serem superadas para que o comércio eletrônico flua de forma natural, fácil, quase óbvia. A mais importante de todas, é a iniciação das pessoas as facilidades e comodidades das compras a distância, de forma simples e natural, garantindo a todos o direito de realizarem suas compras sem que precisem sair de suas casas, ou nos intervalos do trabalho e dentro das próprias empresas em que prestam serviços.

Toda a vez que ingresso num comércio eletrônico que se notabiliza pela componente labiríntica de sua concepção, lembro-me muito de uma figura comum em minha infância no interior do Estado de São Paulo. Em quase toda a propriedade rural existia o tal do Mata-Burro. Os fazendeiros colocavam Mata-Burros para prevenirem-se da eventual fuga de suas reses. De seus cavalos. Para desencorajar os animais a atravessar a porteira e fugir das propriedades.

Os gênios do comércio eletrônico estão conseguindo reinventar os tais de Mata-Burros. Uma espécie de Mata-Burro Reverso. Constroem plataformas tão complicadas e inacessíveis que, só de olhar, os eventuais interessados acabam nem mesmo tentando, desistindo. E os que arriscam, vão à loucura, arrependem-se amargamente, e largam os carrinhos pelo caminho. Alguns chegam a precisar de remédio ou tratamento psicológico.

Outro dia, numa reunião, ouvi de um programador que o comércio eletrônico que tinha desenvolvido para uma empresa estava com uma performance decepcionante porque as pessoas são muito burras. Foi nesse momento que tive certeza absoluta que boa parte dos portais e sites não passa de mata-burros. Para inibir e desencorajar para sempre todos aqueles que decidem tentar pela primeira vez. Primeira e última.

As empresas não vendem absolutamente nada, mas esse tipo de programador confirma sua tese e afirmações: as pessoas são burras e as empresas não deveriam perder tempo com elas. Apenas não dizem como as empresas vão sobreviver se só consegue atrair prospects burros irrecuperáveis.

Todos!

 

 

Quer receber nossa newsletter? Preencha o formulário abaixo: