LandmarketingMadiaMM

Boa pra viagem

0

Dentre as expressões que ganharam vida e se institucionalizaram na coronacrise, uma das que mais vem sendo utilizadas, é, e por donos de restaurantes, boa para viagem.

No início da crise, os supostamente melhores restaurantes da cidade, recusavam-se a oferecer seus melhores pratos a distância, e em embalagens de papel cartão ou alumínio.

Pensavam, em poucas semanas a crise passa e voltaremos ao normal. Não passou e tiveram que recorrer ao delivery, ao menos na tentativa de manter a equipe da cozinha. E assim, passaram a oferecer seus melhores pratos entregues nas casas de seus clientes.

No final das primeiras semanas descobriram, com a reclamação de alguns desses clientes, que aquele mesmo prato que já conheciam e adoravam e comiam nas mesas desses restaurantes, quando embalados e entregues e consumidos em casa, não era a mesma coisa.

Conclusão, descobriram que alguns desses pratos eram bons para viagem, ou comida boa para viagem; e outros, nem tanto.

E assim, deixaram de oferecer, ou tiraram dos cardápios do delivery, os pratos não bons para viagem.

Portanto, e enquanto durar a coronacrise, e talvez para sempre, e em todos os cardápios, existirá a anotação ao lado do prato, “bom para viagem”, ou, “não recomendado para viagem”.

Conclusão, e na necessidade de continuarem escrevendo suas colunas sobre restaurantes, os críticos dos principais jornais também decidiram avaliar os pratos bons para viagem.

E assim, meses atrás, no Estadão, no caderno “A Quarentena”, a avaliação das feijoadas que se saíram bem na marmitinha, as tais das “boas para viagem”.

Como era de se esperar, o grande vencedor foi o restaurante que há décadas vive de fazer e vender feijoadas, em suas instalações todos os dias, e também, craque na feijoada a distância, o Bolinha!

Daquelas marcas que quando você ouve pronunciar seu nome já vem o gostinho do feijão preto, paio, linguiça, pururuca, couve e até mesmo da caipirinha na boca.

E nós nos perguntamos, somos bons para viagem?

Acho que somos.

Não conheço uma única pessoa que não seja boa para viagem.

E quando tudo passar, todos, claro, que puderem, correndo arrumar as malas…

 

 

Quer receber nossa Newsletter? Preencha o formulário abaixo:

O fim das grandes lojas de departamento

Post anterior

Diário de um Consultor de Empresas – 25/02/2021

Próximo post