Android, ou, quem espera nunca alcança…

Primeiro Invade-se. Depois, e se Necessário, Pede-se Licença.

Agora é assim. Não no analógico. As boas, velhas e consagradas normas de educação e comportamento continuam prevalecendo.

Já no digital é quase pé na porta e depois procede-se ao ressarcimento – se comprovado e condenado – eventuais prejuízos causados a terceiros, quartos, quintos…

Quando se cria um mundo a partir do zero não existem regras. As que existem são de um mundo que vem perdendo a razão de ser, dentro do qual nasce esse novo mundo, que dia após dia vai ganhando corpo e ocupando mais e mais espaço.

O mundo velho começa a descascar, perder sua cor, características, costumes, e assim seguirá no correr de décadas e séculos.

É o exato momento da história que vivemos. Existe um novo mundo nascendo, dentro do velho mundo, e por uma questão de dna e gênese não dando a menor bola as regras do mundo velho mesmo porque, muitas das novidades que traz são absolutamente inusitadas e não se enquadram em nenhuma das normas vigentes.

Como se pode regular o que jamais existiu?! É por aí mesmo. E assim os aventureiros do novo mundo vão mandando ver. Até consumar-se um constrangimento geral, receberem algum enquadramento, serem condenados, pagarem multas, e seguirem adiante.

O importante é ter conquistado o território. Essa é a situação que o Google vive neste momento. A Apple e a genialidade de Steve Jobs criaram o mundo Apple.

Lindo, maravilhoso, lúdico, criativo, instigante, mas… clube fechado! Só acessível aos proprietários das máquinas e gadgets Apple. O Google olhou, disse, e falou, vou criar um segundo campo para todos os demais players. E assim tomou a decisão, em 2005, de ir atrás de alternativas e parceiros.

Descobriu a Android Inc, fundada em Palo Alto, Califórnia, no mês de outubro de 2003, por Andy Rubin, Rich Miner e Nick Sears, e que estava mal das pernas, mas com uma base tecnológica sob medida para os planos do Google. No dia 17 de agosto de 2005, comprou a Android porteira fechada. Incluindo um monte de dinheiro para, e trazendo os três sócios juntos.

Em 2007, fez uma primeira grande parceria com fabricantes de smartphones.  E no dia 22 de outubro de 2008 foi lançado o HTC Dream, o primeiro smartphone a ser vendido rodando sob a plataforma Android. O resto é história. A Apple continua com seu mundo lindo, maravilhoso, deslumbrante e fechado.

Enquanto isso o Google, com seu Android, encontra-se presente e faz funcionar mais de 80% de todos os smartphones no mundo.

Semanas atrás, o Google foi multado em € 4,3 milhões pela União Europeia sob a acusação de fornecer grátis seu sistema operacional desde que os fabricantes de celulares mantivessem uma série de aplicativos também grátis e que já vem instalado no Android. Dentre os principais, aplicativos que remetem todos ao Mundo Google…

O Google recusa-se a pagar a multa e vai recorrer. Mas, e se perder, e tiver que pagar… Mais que valeu a pena não ter perguntado e muito menos esperado para que alguém autorizasse. € 4,3 milhões é uma ninharia diante de um território, o dos smartphones, menos os da Apple, e que agora pertencem a empresa.

E que seguramente vale mais de milhões de centenas do valor da multa aplicada e que provavelmente será reduzida, ou, até mesmo não paga. Muito provavelmente, e para fugir de nova punição, o Google vai cobrar de todos os fabricantes de smartphones e celulares que decidirem seguir com o Android a taxa simbólica de um dólar por unidade. Compensável na compra de outros produtos do Google…

EM TEMPOS DE RUPTURA E MUDANÇAS RADICAIS NÃO SE PEDE LICENÇA. ENTRA-SE, E, DEPOIS, DÁ-SE UM JEITO… “Ó DE CASA, DA LICENÇA… NUNCA MAIS!”.