AiMercadoNegócio

Adidas fecha fábricas nos EUA e na Alemanha e transfere para a Ásia

0

Empresa anunciou nesta segunda-feira que transferirá a tecnologia desenvolvida em suas chamadas “speedfactories” para dois fornecedores no Vietnã e na China

A Adidas anunciou, nesta segunda-feira (11), que pretende fechar suas fábricas de tênis nos Estados Unidos e na Alemanha. A companhia alemã pretende transferir a produção para a Ásia.

De acordo com o comunicado publicado pela Adidas, a tecnologia que é desenvolvida nas fábricas com produção automatizada, conhecidas como “speedfactories”, será transferida para fornecedores no Vietnã e na China.

A empresa alemã informou que a transferência da produção para a Ásia é uma medida mais econômica. De acordo com a agência de notícias “Reuters”, a produção nos EUA e na Alemanha foi encerrada pois os custos nestes locais superaram o previsto.

A companhia salientou ainda que a alteração causará “melhor utilização da capacidade de produção existente e mais flexibilidade no design do produto”. Além disso, uma porta-voz da empresa comunicou que a decisão não está relacionada com a guerra comercial entre Estados Unidos e China. Por conta do fechamento das duas unidades em abril do ano que vem, cerca de 200 postos de trabalho serão perdidos.

No terceiro trimestre deste ano, a companhia alemã obteve queda de 2% em seu lucro líquido na comparação anual, que contabilizou 646 milhões de euros.

Mesmo com o resultado inferior, o montante superou as expectativas dos analistas que previam cerca de 635 milhões de euros. Por outro lado, as vendas entre julho e setembro aumentaram quando comparado ao mesmo período do ano passado. O valor obtido por meio das vendas foi de 6,41 bilhões de euros no terceiro trimestre deste ano e 5,87 bilhões de euros no mesmo período de 2018. As vendas na China subiram 11% no terceiro trimestre deste ano. Já na América do Norte, o aumento foi de 10%. Na América Latina, as vendas também avançaram 5%.

 

 

Quer receber nossa newsletter? Preencha o formulário abaixo:

41% dos consumidores vão usar lojas online no Natal, segundo pesquisa

Post anterior

Instagram testa recurso muito parecido com TikTok

Próximo post