“Quanto mais diferente de mim alguém é, mais real me parece, porque menos depende de minha subjetividade” -Fernando Pessoa, Livro do Desassossego

Era uma vez René Descartes (1596/1650). Em 1637 produz sua obra monumental Discours de la Méthode. E, lá a expressão que o eternizou. Originalmente, em francês: “puisque je doute, je pense; puisque je pense, j´existe”. Em outro momento expressa de forma diferente, “je pense, donc je suis”. Mais adiante, convertida para o latim: “cogito, ergo sum”.

Na cabeça do mestre e filósofo uma inflexão ceticista. Uma forma de colocar em dúvida e sempre todo o conhecimento, as tais de verdades absolutas que jamais existiram. Ao duvidar, obrigatoriamente se pensava, e se pensava necessariamente estava-se vivo. Existia-se.

E assim, e durante séculos, prevaleceu esse entendimento.

Para muitos tradutores, o “sum” converteu-se, em português, em “sou”. E, com esses concordo. Para outros, o “sum” virou “existo”. E discordo radicalmente. Descartes referia-se ao ser individual, e sua manifestação de existência, de consciência que existia e perante si próprio. Mais ou menos, a mesma sensação de uma pessoa conferindo sua imagem num espelho. Não se referia ao ser social. E existir é uma propriedade exclusiva do ser social. Existência não é uma manifestação. Ser é uma manifestação. Existir é uma comprovação, um testemunho, um atestado. Você só existe se outras pessoas reconhecerem sua existência. Caso contrário, você apenas É, mas, não existe. Repito, existir é uma propriedade exclusiva do ser social.

Abelardo Barbosa, o Chacrinha, mais do que concordar, fazia a apologia do EXISTIR. Em todos os seus programas, repetia, à exaustão: “Quem não se comunica, se trumbica”. É isso, mas é muito mais que isso.

Quem não se comunica, se trumbica pura e simplesmente, e para voltar ao começo, não existe. É, mas não existe. A existência pressupõe, repito, o reconhecimento por outra ou outras pessoas. Pressupõe o reconhecimento do ser social. Somos seres sociais.

E, daí, a importância decisiva da MARCA. E daí, a importância essencial da Reputação. De sermos – pessoas, produtos, empresas, instituições – uma MARCA DE QUALIDADE NA CABEÇA E NO CORAÇÃO DE NOSSOS PRINCIPAIS STAKEHOLDERS; de nossos públicos relevantes, essenciais e complementares.

Mas, tem um detalhe. Não existe a alternativa de passar pela vida ignorado por todos os demais. Até as pedras, em sua dureza, solidão, e imobilidade, se comunicam. Você olha para uma pedra e algum tipo de registro ocorre dentro de você. Bonita, feia, esquisita, grande, pequena, áspera, pontuda… O mesmo ocorre com as pessoas que optaram, como se possível fosse, pelo isolamento. Você também olha para elas e pensa, “que pessoa mais esquisita…”.

Vinicius de Moraes, um poeta no plural, e conforme já comentei em outro artigo, um dia ganhou o LP Sambas de Roda e Candomblés da Bahia, do maestro Carlos Coqueijo. “Poeta e diplomata da linha direta de Xangô”, convidou Baden Powell para ouvirem juntos. Vinicius, mais atento ao lado místico das composições; Baden à riqueza das harmonias presentes nos cantos. Durante três meses e vinte caixas de uísque depois, trancados na casa do poeta, compuseram os Afro-Sambas – em número de 25. Dentre outros, Berimbau. E, em Berimbau, a sentença de morte ou de vida para os que resistem à necessidade essencial de cuidarem de sua MARCA, de polirem sistematicamente suas reputações:

“QUEM DE DENTRO DE SI NÃO SAI, VAI MORRER SEM AMAR NINGUÉM”.

Assim, e quase quinhentos anos depois, e considerando-se o contexto, obra e caminho percorrido por René Descartes só cabe uma única tradução para “sum”. E que é “sou”. Já para existir é preciso um passo adiante. De planejamento, esmero, atenção, cuidados. De construir uma identidade, personalidade, estilo, que se converta numa MARCA de extraordinária qualidade na cabeça e no coração de seus principais stakeholders.

Quando isso acontece, além de ser, e finalmente, sua empresa, seus produtos, Você, existem!

Me fiz compreender?

News

 

 

Quer receber nossa newsletter? Preencha o formulário abaixo:

[contact-form-7 id=”163591″ title=”Formulário fim dos posts”]

Comentário

Comentário

Francisco Madia
Advogado, Diretor Presidente e Sócio do MadiaMundoMarketing e Presidente da Academia Brasileira de Marketing (ABRAMARK).