O poder da heroína

Os primeiros itens que aparecem no Google ao pesquisar a palavra ‘heroína’ são exclusivos ao composto semissintético, obtido a partir de plantas capazes de matar.

Eu até entendo o motivo, afinal, heroína é um problema grave, que gera dependência e, obviamente, a morte.

Mas e o outro significado para a palavra? Aquele mais lúdico, que é capaz de inspirar as pessoas ao invés de matá-las?

Se não mudaram o dicionário, a palavra heroína também é o feminino de herói. O problema é que muitas vezes nos esquecemos disso, tendo em vista que não observamos as heroínas que nos cercam e que lutam por um mundo melhor.

Recentemente, a busca por justiça igualitária entre os sexos tem se intensificado, a palavra feminismo é dita com mais frequência, além de as mulheres, finalmente, assumirem o papel que querem na sociedade (lembrando que feminismo é um movimento político, filosófico e social que defende a igualdade de direitos entre mulheres e homens, e não o oposto de machismo).

Óbvio que ainda há muito o que melhorar, porém, não se pode reclamar da ausência de heroínas, ou pelo menos bons exemplos que defendem essa causa. Abaixo, alguns exemplos de mulheres que podemos chamar de heroínas do século XXI e que usam seus poderes para melhorar o mundo:

Emma Watson

A atriz, que ficou famosa pela franquia “Harry Potter”, hoje é embaixadora da ONU e luta pelo direito da Igualdade de Gênero. Acima, um dos seus discursos mais emblemáticos, denominado #HeforShe.

Catharina Doria

Catharina Doria aplicativo SaiPraLá

Criadora do aplicativo “SaiPraLá”, no qual mulheres podem fazer denúncia e marcar em um mapa o local em que sofreu assédio. Em cinco dias de funcionamento, o app recebeu 373 denúncias de abuso físico e 2480 de assédio verbal vindas de diversas cidades do país.

Babi Souza

Babi Souza projeto VamosJuntas?

Ainda na onda dos aplicativos, temos a criadora do “Vamos juntas?”. A jornalista desenvolveu um método, paliativo pelo menos, de resolver um dos dilemas femininos. A ideia é que mulheres que vão para um mesmo lugar notifiquem sua posição, para que assim possam ir juntas, prevenindo-as de possíveis assédios ou algum outro tipo de violência.

Cate Blanchett

Cate Blanchett atriz Oscar

A vencedora do Oscar de melhor atriz falou sobre o direito de igualdade entre os gêneros em seu discurso na premiação, além da sua clássica declaração ao ser perguntada, mais uma vez, sobre o seu vestido para a cerimônia: “Ei, vocês fazem isso com os caras também?!”.

Panmela Castro

Panmela Castro graffiteira

Uma grafiteira que quebra paradigmas ao usar o graffiti para combater a violência contra a mulher. Aos 34 anos, a artista plástica estampa na parede temas como assédio, aborto e feminismo. Vale a pena dar uma olhada no trabalho dela.

Clarice Falcão

A atriz/cantora sempre se posicionou em relação aos direitos das mulheres, porém, em seu último trabalho, ela escancarou sua opinião e ofereceu ao mundo um manifesto pelo gênero feminino.

Sisa Abu Daooh

Sisa Abu Daooh

Após a morte do marido, durante 42 anos da sua vida, Sisa Abu Daooh fingiu ser um homem para poder trabalhar e sustentar sua filha, já que no seu país a mulher é impedida de tal ato.

Chimamanda Ngozi Adichie

Escritora e palestrante que, a partir de 2012, chamou a atenção dizendo que todos nós deveríamos ser feministas. Vale a pena ouvir suas palavras nessa palestra para o TED.

Sophia Trow

Sophia Trow

Uma jovem de oito anos de idade ─ isso mesmo, oito anos ─ provou que sabe mais sobre igualdade entre gêneros do que quase toda a sociedade a qual está inserida.

Sua história começou quando ela queria ter comprado um sapato chamado “Stomposaurus”, mas foi impedida, pois o “sapato só tem linha para meninos”. Indignada ela escreveu uma carta dando uma lição de moral em quem ainda pensa assim.

O conteúdo da carta:

Prezada Clarks,

Minha mãe me levou para comprar novos tênis para a escola e eu vi que existem tênis de dinossauros para meninos. Por que meninas não podem usar tênis de dinossauros? Eu não gosto como as meninas usam sapatos de florzinhas. Eu gosto de dinossauros e de fósseis, então eu acho que outras meninas também podem gostar“.

Jane, a mãe de Sophia, não só enviou a carta da filha à Clarks como defendeu seu ponto de vista em um tweet: “Eu quero que minhas crianças tenham opções. Eu não quero que elas sejam limitadas por expectativas que as dizem como se comportar como meninas – eu quero que elas possam fazer o que quiserem e se transformar em mulheres fortes“.

Aniela McGuinness

A atriz virou um ícone da força feminina pela forma como lidou com um problema bem sério. Ao descobrir que estava com câncer de mama, ela resolveu fazer um ensaio cheio de humor sobre fato, inspirando a todos a encarar o problema e incentivando o autoexame para prevenção do câncer.

Malala Yousafzai

Malala Yousafzai

É uma ativista paquistanesa conhecida principalmente pela defesa dos direitos humanos quanto à educação das mulheres. Foi a pessoa mais nova a ser laureada com um prêmio Nobel.

*Celso Bove é formado em publicidade e propaganda, pós-graduado em marketing, integrante do Núcleo de Produção e Conteúdo do MadiaMundoMarketing, viciado em novas tecnologias e tendências no ambiente digital.

Comentário

Comentário