A medida proibitiva adotada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) com o objetivo de melhorar a qualidade dos serviços de telefonia móvel no país poderá cair no vazio, caso não se contemplem os pontos de vista de todos os parceiros envolvidos na questão. O diagnóstico é da engenheira e empresária, Vivien Mello Suruagy, presidente do Sindicato Nacional das Empresas Prestadoras de Serviços em Telecomunicações (Sinstal), um setor que emprega 700 mil trabalhadores em todo país. “A qualidade do serviço de telefonia oferecido somente será elevada quando a Anatel editar regras verificando especificidades de todos os integrantes do setor com a finalidade de avaliar as planilhas de custos de operadoras, prestadores e fornecedores”. A decisão da Agência de parar as vendas e impor regras sem se preocupar com a viabilidade financeira dos contratos, segundo Vivien Mello Suruagy, poderá implicar altos custos adicionais, o que acabará por torná-los impraticáveis. A dirigente sindical sugere que a Anatel aproveite o momento para convocar todos os elos da cadeia das telecomunicações, avaliando ações, tarefas e responsabilidades de cada um e exigindo planos de ação realistas e compatíveis com as condições e características dos parceiros.

No Brasil, há cerca de cinco mil empresas de prestação de serviços em telecomunicações, hoje responsáveis desde a manutenção das redes e sistemas de telecomunicações até o atendimento ao consumidor.

As regras impostas pelo órgão geram mais passivos para as operadoras, o que, na visão da presidente do Sinstal, acabam aumentando a pressão sobre as prestadoras de serviços, exigindo destas margens mínimas que inviabilizam qualquer meta de qualificação de mão de obra. “As empresas prestadoras de serviços precisam garantir, no mínimo, um percentual de 5% de lucro para honrar seus compromissos e investir em mão de obra e, assim, contribuir para a meta de melhoria de qualidade dos serviços ofertados, nos termos exigidos pela Anatel. A Agência deveria intervir para que a prática de preços justos no setor contemplasse todos os parceiros da cadeia”, recomenda a presidente do Sinstal.

• Quais são os impactos da proibição da Anatel no setor de prestação de serviços em telecomunicações?

• A medida adotada pela Anatel fará aumentar a qualidade dos serviços? O que mais se faz necessário?

• O que o setor de prestação de serviços defende para a melhoria da qualidade dos serviços de telecomunicações?

INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA

GT MARKETING E COMUNICAÇÃO

(11) 5053-6100

Giovanna Zanaroli – giovanna.zanaroli@gtmarketing.com.br

Comentário

Comentário